quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Em PE, operação Lei Seca abordou 6 mil motoristas no feriado de ano novo

Em Pernambuco, 6.057 veículos foram abordados pela Operação Lei Seca, no feriado do ano novo, entre os dias 28 de dezembro de 2012 e 1º de janeiro de 2013. Em relação ao mesmo período do ano passado, quando 3.576 motoristas foram parados nas blitzes, houve um aumento de 69,37%, de acordo com dados repassados nesta quarta-feira (02) pela Secretaria Estadual de Saúde.
Foram registradas 121 infrações por suspeita de ingestão de álcool - com 23 constatações, 14 crimes e 84 recusas ao bafômetro -, uma redução de 10% em relação a 2011, informa a Secretaria, mesmo com o aumento ao número total de carros abordados. Em relação às multas, foram aplicadas 501 nesta operação, a maioria por problemas nos veículos, como pendências no Detran, IPVA em atraso e carteiras de habilitação vencidas.
O feriado foi considerado tranquilo pela coordenação da operação, que também acredita que os motoristas estão mais conscientes e capazes de colaborar para o cumprimento da lei. Participaram da operação nove vans informatizadas, atuando na Região Metropolitana do Recife e no interior (Arcoverde, Caruaru, Vitória de Santo Antão e Goiana).

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Celulares Piratas serão bloqueados em 2013


Um sistema em implantação nas centrais de operação das quatro principais empresas de telefonia móvel do país restringirá, a partir do primeiro trimestre de 2013, o uso de celulares piratas.
Programa vai identificar aparelhos não homologados pela Anatel. Foto: Reprodução
Programa vai identificar aparelhos não homologados pela Anatel. Foto: Reprodução
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e o Sinditelebrasil – sindicato que representa as teles – no entanto, não sabe informar quantos aparelhos piratas estão em operação hoje no país. A Telefônica/Vivo, TIM, Claro e Oi pretendem investir mais de R$ 10 milhões para bloquear os equipamentos piratas.
Com a medida, as empresas do setor esperam reduzir o número de reclamações contra o serviço – segundo as operadoras, esses aparelhos são de baixa qualidade e costumam ter mais queda de chamadas, o que contribui com as queixas às centrais de atendimento.
O programa que vai bloquear os piratas funciona por meio do reconhecimento do código de identificação que todo celular possui, o chamado IMEI, captado pela central das companhia quando realiza-se uma chamada. Esse procedimento vai ser feito quando um usuário cadastrar um novo chip, o que é necessário para habilitar a linha e realizar as ligações.
Se um pirata for identificado pelo programa, a operadora avisará a pessoa que a habilitação não vai ser possível e o motivo.
Para impedir que o cliente use um celular homologado para fazer o cadastro do chip e depois troque por um pirata, o sistema também vai passar a acompanhar o IMEI dos aparelhos usados por todas as linhas habilitadas a partir do primeiro trimestre do ano que vem. Entretanto, quem já tem um chip habilitado, e utiliza um aparelho ilegal, vai poder continuar usando após a entrada em operação do sistema, pois eles não vão ser reconhecidos.